Não julgue o que está escrito aqui por "Bom" ou "Ruim"...
Não são só palavras... São sentimentos!

sábado, 23 de novembro de 2013

Bodas de Algodão...

E é isso ai Toca, já se passaram dois incríveis anos. 
Quando nos conhecemos sabíamos que não seriam dois dias, nem dois meses, mas uma vida toda. É engraçado mas nos primeiros dias de conversa já estávamos ligadas uma a outra de uma maneira unica e eterna.

E foi assim que o nosso relacionamento começou, já sabendo que pertencíamos uma a outra.
E agora dois anos depois ainda me vem lagrimas nos olhos só em pensar no que dizer sobre nós, só de pensar na intensidade do que sentimos.

Dizem que a paixão propriamente dita, aquela coisa arrebatadora, avassaladora, incontrolável, aquele desejo desenfreado dura de 3 a 6 meses, se depois disso você ainda sente essas coisas, então já é amor.

Eu ainda sinto tudo isso. Eu sempre ouvi de casais que depois de alguns meses de convivência as coisas mudam, esfriam, você passa a se importar menos com a pessoa, a sentir menos saudade ou a não sentir... mas já moramos juntas a um ano, e a cada dia que passa eu a amo mais e mais, todos os dias eu chego do trabalho com o coração apertado de tanta saudade, como se eu não a visse a meses, sendo que só se passaram algumas horas.

Sem muita melação, o que eu queria dizer meu amor é que todos os dias eu agradeço ao universo por ter conspirado ao meu favor e ter cruzados nossos caminhos, ter me escolhido para te amar tão profunda e verdadeiramente. Obrigada por ter me escolhido como sua companheira, parceira, amiga, amante, para ser sua.

Como diz a nossa musica: "Eu te amarei de janeiro a janeiro até o mundo acabar..." (nesta e nas próximas vidas). 

Você um dia disse que cantaria essa musica quando chegasse a hora, mas como eu não sei esperar vou me adiantar e fazer o pedido por você:


Eu pensei em comprar algumas flores
Só pra chamar mais atenção
Eu sei, já não há mais razão pra solidão
Meu bem, eu tô pedindo a sua mão
Então case-se comigo numa noite de luar
Ou na manhã de um domingo a beira mar
Diga sim pra mim
Case-se comigo na igreja e no papel
Vestido branco com bouquet e lua de mel
Diga sim pra mim
Ahhh , Sim pra mim
Eu pensei em escrever alguns poemas
Só pra tocar seu coração
Eu sei, uma pitada de romance é bom
Meu bem, eu tô pedindo a sua mão
Então case-se comigo numa noite de luar
Ou na manhã de um domingo a beira mar
Diga sim pra mim
Case-se comigo na igreja e no papel
Vestido branco com buque e lua de mel
Diga sim pra mim
ahh Sim pra mim
Prometo sempre ser o seu abrigo
Na dor, o sofrimento é dividido
Lhe juro ser fiel ao nosso encontro
Na alegria,a felicidade vem em dobro
Eu comprei uma casinha tão modesta
Eu sei, você não liga pra essas coisas
Te darei toda a riqueza de uma vida
O meu amor
Então case-se comigo numa noite de luar
Ou na manhã de um domingo a beira mar
Diga sim pra mim
Case-se comigo na igreja e no papel
Vestido branco com bouquet e lua de mel
Diga sim pra mim
Sim pra mim
Case-se comigo
Case-se comigo
Case comigo meu amor
Case-se comigo
Case-se comigo
Case comigo meu amor


sábado, 2 de novembro de 2013

10 coisas que você não deve perguntar a uma lésbica...

Passeando pela internet, achei essa postagem no “Coisas de meninas” e achei muito legal, espero que curtam.

Estamos cansadas de responder perguntar idiotas

Assim como a poesia medieval alemã, lésbicas (e bissexuais, heteroflexíveis, pansexuais) frequentemente são mal entendidas. É claro que você já ouviu falar sobre elas em alguma aula de estudos sobre as mulheres, rapidamente num episódio de Grey’s Anatomy ou no corredor de gesso da Leroy Merlin, mas vivenciar o mundo lésbico em sua essência é algo raro. Quem são esses seres míticos? O que eles usam agora que os hipsters roubaram seu figurino? É verdade que as lésbicas juntam os trapos após o segundo encontro? Essas são algumas das questões que talvez martelem em sua cabeça. É verdade que aprendemos na escola que não há perguntas idiotas, mas às vezes nós cansamos de responder questões estúpidas que nos são endereçadas. Então você deveria evitar as seguintes observações se quiser se manter longe de discussões, olhos roxos ou de ser comparado a um homem das cavernas.


1. Quem é o homem da relação?

Ambas. As duas. Somente quando é preciso matar uma aranha. Na maioria dos casos a relação em questão envolve duas mulheres: é justamente o que as tornam lésbicas. Mesmo para um casal gay butch/femme (aquele em que está estabelecido a identidade dos gêneros) é ofensivo sugerir que a relação não tradicional está imitando uma relação tradicional, especialmente sob o paradigma rígido e ultrapassado em que o gênero masculino está inserido. Possível resposta: “Não sei. Quem é o homem na sua?”


2. Se você gosta de garotas, quer dizer que se sente atraída por si mesma?

Essa pergunta remonta aos tempos vitorianos, quando Freud postulava que a homossexualidade talvez tivesse raízes no narcisismo e naquilo que ele chamou de complexo de castração. Se essa teoria estivesse certa, não deveríamos estar nos masturbando fervorosamente em frente a um espelho enquanto ouvimos “You’re So Vain” de Carly Simon em vez de ir a encontros? Atração pelo mesmo sexo não é a mesma coisa que atração por si mesmo.


3. Como vocês transam?

Bem, primeiro nós fazemos uma oferenda às deusas. Depois nós caminhamos em sentido anti-horário em círculo em volta de uma tigela com sementes de linho enquanto recitamos cantos canônicos das garotas Indigo. Em algum momento da sétima volta nossas vaginas se fundem em uma espiritual e extática união. Por fim, nós tomamos chá e discutimos a reforma das prisões. O sexo lésbico tem confundido as pessoas desde a queda dos pepinos. Não temos a certeza do motivo, mas, honestamente, estamos cansadas de explicar a você como o ato sexual ocorre sem a ajuda de um vibrador de carne. Mas, ok, aqui vai novamente: as lésbicas se envolvem em todas as formas de atividades sexuais, inclusive as que utilizam mãos, brinquedos, bocas, pés, chicotes, algemas, comidas e um número sem conta de objetos que lembram vagamente um pênis e que podem ser usados para nosso prazer. Não é jogo de tabuleiro, ok? Não há uma única maneira ou um jeito certo para o sexo lésbico.


4. Como você sabe que é lésbica se nunca transou com um homem?

Como você sabe que é hétero se nunca teve um pinto em sua boca?


5. Vamos fazer um ménage?

Há uma suposição cultural generalizada sobre as mulheres não tradicionais, particularmente as bissexuais, de que, quando não estamos ocupadas destruindo a santidade de famílias nucleares, estamos apenas aguardando um convite para dar umazinha em trio. Não nos leve a mal, nós gostamos de um ménage, mas o endeusamento da atividade levou a uma porrada de estranhas propostas online e abordagens de bêbados. Isso tem crescido tristemente. Por favor, adquira um novo hobby, como restauração de móveis ou windsurfing. A não ser que a mulher em questão explicitamente exponha seus desejos, não tire nenhuma conclusão e, especialmente, não faça nada com sua língua.


6. Sério? Mas você é tão bonita.

Esse é um insulto disfarçado de elogio que sugere que as lésbicas são ogros que se tornaram gays apenas porque nenhum homem queria vê-las peladas. Também anula a possibilidade das lésbicas serem femininas, o que é ridículo. Diversas lésbicas são femininas — nós até temos uma palavra para isso: femme. E apesar de de vez em quando usarmos maquiagem, cabelos compridos e etc, nós continuamos sem querer dormir com você, especialmente após você dizer isso. Possível resposta: Portia de Rossi. Apesar de que, realmente, nem achamos que isso mereça uma resposta.


7. Se você se casar com um homem você deixa de ser bi, certo?

Estar numa relação heterossexual não nega sua identidade sexual e nem os parceiros que você teve pela vida. Se você ainda cobiça mulheres, então você é bi, independente se vai fazer experimentar lábios femininos novamente. Nós desejamos sinceramente que um dia deixemos de nos policiar sexualmente. A bissexualidade não é algo que você tem que provar.


8. Você sente falta de pênis?

Nós temos um monte de pênis. Um deles até brilha no escuro.


9. Você apenas não conheceu o homem certo ainda.

Parentes desinformados esperando que ainda vamos surpreendê-los com alguns netos (e que por algum motivo igualam o lesbianismo com infertilidade) geralmente dizem isso. É altamente ofensivo, intrusivo, presunçoso e dá a entender que as mulheres não heterossexuais mudaram de time por conta das más experiências com homens. Isso não quer dizer que lésbicas ou mulheres bissexuais nunca foram feridas por um homem e que essas experiências negativas não tenham algum impacto em sua vida. Mas também não significa que a Ana vai mudar de time porque o Jorge só fala do futebol. Além disso, conhecemos muitas mulheres heterossexuais que nunca encontraram seu príncipe encantado. Conhecemos aproximadamente zero garotas que se tornaram gay espontaneamente porque cansaram de esperar o cara certo.


10. Eu queria ser lésbica. As coisas seriam bem melhores.

Certo. Exceto pelos crimes, pelos bullyings, pelos altos índices de suicídio, pelas discriminações no trabalho, pela alta possibilidade de ser surrada até a morte ou açoitada em alguns países, pelos estupros, pela depressão, pelo estigma, pela perseguição familiar, pelo fato de ter que abrir o jogo toda vez que conhece alguém, pela ameaça de ser desertada pelos seus entes queridos e por ter que lidar com as questões acima todos os dias de sua vida até a morte. Exceto por isso, é tudo ótimo! A Ellen DeGeneres tem um programa de TV, você sabe, então a gente não pode reclamar.


sexta-feira, 1 de novembro de 2013




Quero me casar com você porque é a primeira pessoa que quero ver ao acordar pela manhã e a única que quero dar um beijo de boa noite. Porque a primeira vez que vi essas mãos, não pude imaginar não poder segurá-las. Mas principalmente, porque quando se ama alguém como eu te amo casar é a única coisa a fazer.










"Sou felizz e não admito que ninguém me acorde." (Martha Medeiros)

“Na vida, apenas uma coisa é certa, além da morte e dos impostos. Não importa o quanto você tente, não importa se são boas suas intenções, você cometerá erros. Você irá machucar pessoas. E se machucar” (Meredith Grey - Grey's Anatomy)