Não julgue o que está escrito aqui por "Bom" ou "Ruim"...
Não são só palavras... São sentimentos!

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Quase morri...

Gente do céu, preciso contar, quase tive um ataque do coração.
Cheguei da aula de violão super desanimada, e a primeira coisa que vejo no twitter foi a Linda, gostosa e talentosa Nise Palhares comentando que estava tirando umas musicas no violão, mesmo já sabendo mais de 800 de cabeça...


Ai eu comentei:


E adivinhem... ELA RESPONDEU!




E foi nesse momento que meu coração quase parou!
Tudo bem, sejamos realista ela não se declarou pra mim, nem disse que eu sou a mulher da vida dela... mas eu ganhei 5 segundos de atenção! O que é quase o mesmo!
rsrsrsr




Um enorme beijo
De uma Akii muito feliz!

sábado, 29 de outubro de 2011

Já...


Já escondi um amor com medo de perdê-lo, já perdi um amor por escondê-lo.
Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos.
Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso.
Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.
Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.
Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.
Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir.
Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi.
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.
Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.
Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros.
Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz.
Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.
Já chamei pessoas próximas de “amigo” e descobri que não eram…
Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.
Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração.
Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente.
Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão.
Sou sempre eu mesmo, mas com certeza não serei o mesmo pra sempre.
(Autor desconhecido)

Akii

domingo, 23 de outubro de 2011

As vezes...



“Ás vezes é preciso dormir, dormir muito. 
Não pra fugir, mas pra descansar a alma dos sentimentos. 
Quem nasceu com a sensibilidade exacerbada sabe quão difícil é engolir a vida. 
Porque tudo, absolutamente tudo devora a gente.
Inteira.”
(Marla de Queiroz)

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Não sei quantas almas que tenho...

video

Criei esse vídeo em 2009, para uma apresentação sobre o fantástico Fernando Pessoa.
Esse é um dos meus poemas preferidos.


E não sei porque passei o dia todo com ele na cabeça, acho que ando me sentindo assim ultimamente "diverso, móbil e só. Não sei sentir-me onde estou..."
Ando meio afastada de tudo e de todos, falando com muita pouca gente, saindo de casa só para trabalhar, uma necessidade de ficar sozinha, esperando o tal milagre cair do céu.


Espero que curtam o vídeo.
Antes de dar tchau, gostaria de agradecer a galera que sempre comenta aqui, saibam que esse blog só existe graças ao carinho de vocês. Obrigada!


Abraços
Akii

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Não temos mais idade

‎”Porque já não temos mais idade para, dramaticamente, usarmos palavras grandiloqüentes como “sempre” ou “nunca”. Ninguém sabe como, mas aos poucos fomos aprendendo sobre a continuidade da vida, das pessoas e das coisas. Já não tentamos o suicídio nem cometemos gestos tresloucados. Alguns, sim - nós, não. Contidamente, continuamos. E substituimos expressões fatais como “não resistirei” por outras mais mansas, como “sei que vai passar”. Esse o nosso jeito de continuar, o mais eficiente e também o mais cômodo, porque não implica em decisões, apenas em paciência.” Caio Fernando Abreu

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

E as pessoas não param de nos surpreender...



Sei que falar de preconceito ficou algo tão cansativo que a maioria das pessoas nem presta mais atenção, mas não vou me cansar de reclamar, protestar e exigir respeito. O foda é que o preconceito, as vezes, vem de onde menos esperamos.

Ontem (12/10) feriadão, estávamos eu e minha mãe na sala, ela assistindo Morde e Assopra e eu jogada no sofá lendo um livro no Seth (meu PC). Lá pelas tantas passa na TV uma cena em que o Aureo (personagem gay) iria se casar com uma mulher. Por minha mãe estudar a noite ela não sabia direito o que tava rolando e ao ver a cena solta a seguinte frase: “Ah! Esse virou gente.”
Não acreditei no que ouvi. Virei a cabeça muito lentamente, tentando me controlar para não ofende-la e disse: “Humm! Então, por ele ser gay ele não é gente??” ela me olhou com uma cara de “falei merda” e disse “Não, não foi isso que eu quis dizer...” e tentou se explicar. Voltei a olhar pro Seth e ignorei ela.

Há alguns meses atrás, estávamos eu e meu irmão (15 anos) em casa e ele todo tímido diz: “Mana, você que já foi menina, me diz... o que a menina tá querendo...” Juro que a única coisa que eu ouvi foi “você que já foi menina” só depois entendi que ele queria conselhos pra saber se a tal garota estava afim dele.
Ele contou toda a história e perguntou: “Então, o que acha?”
Akii: “Acho que eu preciso te explicar algumas coisinhas... olha não é porque eu resolvi contar pras pessoas que eu gosto de meninas, que eu sou lésbica... que começou a crescer algo aqui – e apontei pra minha virinha – continuo sendo uma menina! A única mudança é que eu sinto a mesma atração que você por garotas.”
Ele: “É mas você não é mais uma garota normal!” disse isso como se aquilo explicasse tudo.
Respirei fundo, essa seria uma longa conversa: “Mano, por acaso eu tenho um par de braços a mais, um rabo, chifres ou antenas saindo da minha cabeça?!
Ele riu: “Não, mas...”
Akii: “Então, acho que eu sou um ser humano muito normal! Tenho fome, sinto frio, sinto saudade, as vezes preciso de colo... igual a você e a todo mundo. Se eu me cortar vou sangrar, se alguém me bater eu vou devolver o golpe. Todo mundo é assim! Eu, você, homem ou mulher, hétero ou homossexual, todos sentem essas coisas... As pessoas veem os homossexuais de uma maneira muito errada e idiota, não é por que eu gosto de mulher que vou sair por ai pegando todas...”
Ele: “Não???”
Akii: “É claro que não! Pelo amor de Deus! Cara a mesma coisa acontece se você tem um amigo gay, não é porque ele é gay que vai dar em cima de você, as vezes ele só quer ser seu amigo, todo mundo precisa de amigos... Essa menina que você tá gostando, você gosta dela porque ela é bonita, porque ela é legal, porque existem pequenas coisinhas nela que chama a sua atenção. E é assim com todo mundo, a gente não se apaixona por um pênis ou uma vagina e sim por pequenas coisinhas que tornam aquela pessoa especial. Não importa qual o sexo dela, nem a cor, nem a idade, nem a religião, algumas vezes nem o estado civil dela importa, a gente se apaixona e daí está fudido! O ato sexual é uma conseqüência e se você gosta da pessoa o sexo dela não importa. Você não precisa gostar de meninas só porque é um menino... também não to dizendo “vire gay”. Sabe, não importa o que as pessoas dizem ou pensem, o importante é você ser feliz, é buscar uma pessoa que te de alegria, que te de paz, prazes. Que te faça bem... Entendeu?”
Ele assentiu e depois eu disse tudo o que achava sobre a garota que ele tava afim.

Tive a sensação que essa foi a melhor conversa que tivemos, mas também me dei conta que parte desse mal entendido era culpa minha. Eu apenas tinha comunicado a minha família “Sou lésbica!” não houve uma conversa (até porque depois que eu contei minha mãe surtou e a casa caiu), não houve explicações, só soltei a bomba e agüentei as conseqüências sem tentar amenizar os estragos.

Depois dessa conversa com meu irmão notei que ele começou a ver os homossexuais de uma forma diferente, foram pequenas mudanças na maneira que ele falar dos gay e até mesmo de tratar meus amigos.

Acho que o que falta as vezes é uma boa conversa, explicar as coisas. Quando conto para as pessoas minha opção sexual a impressão que tenho é que elas acham que eu sou um monstro que sai por ai atacando pobres mulheres indefesas ou que estou pervertendo elas.

Preciso dizer: NÃO HÁ NADA PERVERSO, ASQUEROSO NEM PROMISCUO NO AMOR!

Tenho muito orgulho de ser quem eu sou e não me arrependo de ter saído do armário, mas as vezes canso. Canso de tanta idiotice, de tanta gente dando pitaco na vida dos outros, de tanta gente ignorante, de tanta maldade, de tanto preconceito.

Preconceito que muitas vezes vem de pura ignorância, ou por medo de aceitar o que não conhece e não entende. Como no caso do meu irmão.

Isso cansa, e me pergunto: se com o passar dos anos e conforme constatarmos que as coisas não vão mudar será que teremos forças para continuarmos lutando? Ou apenas ligaremos o foda-se e seguiremos em frente?

Porque as surpresas indesejadas não vão parar de aparecer!

Akii.

"Sou felizz e não admito que ninguém me acorde." (Martha Medeiros)

“Na vida, apenas uma coisa é certa, além da morte e dos impostos. Não importa o quanto você tente, não importa se são boas suas intenções, você cometerá erros. Você irá machucar pessoas. E se machucar” (Meredith Grey - Grey's Anatomy)