Não julgue o que está escrito aqui por "Bom" ou "Ruim"...
Não são só palavras... São sentimentos!

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

As vezes é preciso...

As vezes para voltarmos a nos sentir "nós mesmos" é preciso mudar, porque com o tempo mudamos tanto por dentro que passamos a não nos reconhecer mais por fora.

Então mudei!

Cortei o cabelo, renovei todo o meu guarda-roupa, mudei a decoração do quarto, comprei um violão.
Mês que vem faço uma tatoo, que venho prorrogando a quase um ano.

Cheguei a (tardia) conclusão de que só temos essa porcaria de vida (pelo menos que saibamos), não tem o porque fingir ser quem não é, fugir de si mesmo, adiar coisas que gostamos ou queremos, adiar sonhos...

Cheguei a porra dos 20 anos sem ter feito nada do que EU queria.
E cheguei ao ponto de não me reconhecer mais no espelho.

Então o que fazer?

Mudamos!
Nada que nos desagrada deve permanecer perto de nós.

Está sou eu!
Rauana Polli (muito prazer!), lésbica (assumida e muito bem resolvida), geminiana (em todos os pontos, virgulas e defeitos), instável, temperamental, e de mal humor crônico, curitibana, orgulhosa. Apaixonada por musica, vento, tatuagens, cabelos curtos, roupa xadrez, Al Star, perfumes masculinos, mulheres que tocam violão e Nescafé Cremoso.


Gostaram do cabelo?
Assim que sair a tatoo eu posto pra vcs.

Beijão
Akii

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Nada é como queremos...



Pegou minha mão, do jeito certo
Prometeu estar por perto
Me disse coisas sem fim
Acreditei em tudo que falou pra mim
Se alguém me dissesse que daqui a três anos
Você não estaria mais aqui
Eu ficaria irritada
Pois sei que não vai partir
Eu sei disso porque você disse "sempre"
Pra sempre
Lembra como eramos tolas
E achavamos os outros tolos
Gostaria de tocá-la novamente
De chama-la de amiga carinhosamente
Eu faria tudo
Quando alguém disse para aproveitarmos o momento
Antes que ele fosse embora
Queria voltar com o vento
Eu me enganei naquela hora
Eles estavam certos
Mas você disse "sempre"
"Pra sempre"
Quem diria?

O video é meio alto explicativo... 
Sentimentos são a coisa mais imprevisível que existe, eles começam do nada, mudam, aumentam, diminuem, e as vezes são mutáveis.
Ainda a amor, mas de uma forma diferente, a amo com carinho de irmã e respeito de mulher.
Ainda a quero por perto, ainda a quero proteger, ainda a quero feliz.
Mas a quero descobrindo quem ela é, a quero vivendo e descobrindo tudo o que tem direito.
A quero livre.
Acredito que tudo o que nos pertence um dia volta.
Acredito que o destino ainda tem algo planejado.
Que venha! Vou estar aqui.


Akii

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Sinto muito...

“Eu te amo. Mesmo negando. Mesmo deixando você ir. Mesmo não te pedindo pra ficar. Mesmo não olhando mais nos teus olhos. Mesmo não ouvindo a tua voz. Mesmo não fazendo mais parte dos teus dias. Mesmo estando longe, eu te amo. E amo mesmo. Mesmo não sabendo amar.”
Caio Fernando Abreu


 Primeiramente, peço desculpas por andar meio sumida, mas essa semana tem sido difícil.

Domingo foi dia dos pais e eu negligentemente deixei passar em branco.

Mas hoje a coisa esta mais foda que nunca e estou querendo um pouco de colo.

Hoje faz dois meses que meu pai faleceu, e pela primeira vez estou sentindo a falta dele, domingo eu estava lendo um blog Jardins Abandonados em que a autora fala que esse também era o primeiro dia dos pais que ela passava sem o dela. Isso mexeu comigo, chorei muito.

Há dois meses eu venho ignorando a morte dele, fingindo que não era nada. Minha relação com meu pai sempre foi complicada, eu não gostava dele e ele não gostava de mim, passamos os últimos 20 anos nos ignorando mutuamente. Ele passava apenas os fins de semana em casa com a gente e fazia questão de torna-los um inferno. Quando ele ficou doente eu até disse pra Kaede “bem que ele podia morrer.”, dois dias depois ele morreu. No velório que chorei três vezes: quando o vi caixão; quando meu avô de 86 anos chegou chorando desesperado – nunca tinha visto ele chorar, ele já enterrou a primeira esposa, o filho mais velho, dois netos, um bisneto e agora meu pai – foi muito triste de ver a dor dele; e na hora em que ele foi enterrado, e eu estava tentando consolar minha mãe.

Depois disso não chorei mais. E os últimos dois meses, apesar do baixo astral do povo aqui de casa, tem sido realmente bom, sem mais brigas, sem mais enchesão se saco, sem mais pressão psicológica...

Mas essa semana me bateu uma tristeza tão grande, que eu estou fazendo de tudo pra não demonstrar.

O tempo todo me vem lembranças dos poucos e raros momentos em que fui feliz perto dele: de brincar de esconde-esconde; pega-pega (rsrs, quando era a vez dele pegar, a gente saia gritando em volta da casa “o pai é mãe, o pai é mãe, correeee...”, ele sempre se matava de rir); depois cresci e isso ficou cada vez mais raro, as vezes quando eu e meu irmão estávamos jogando bola, ele vinha e brincava um pouquinho; as varias vezes que jogamos truco, a bagunça que ele sempre fazia, todas as vezes que ele tentava roubar, e nunca admitia que um de nós ganhou dele no seu jogo preferido.

Não vou transformar meu pai num herói, e esquecer o horror que foi viver com ele, mas esse é o primeiro ano em que não fiquei apavorada pensando no que dar de presente, sempre tentando agradá-lo, e ele sempre recebia com uma careta, esse ano não teve careta, não teve abraço, nem beijo, não teve aquela constrangedora demonstração de afeto ao dizer “Feliz dia dos Pais”. Esse ano não teve nada.

Trabalhei o domingo todo, com uma puta enxaqueca (que só foi diminuir dois dias depois), tentando ignorar que era dia dos pais, até ler aquele post e desmoronar.

Comecei a pensar em tudo o que poderia ter sido, em todos os abraços não dados, os beijos, as demonstrações de carinho. Todos os “eu te amo” que eu nunca disse, todos os “obrigado” que nunca poderei dizer.

Esses são apenas os primeiros dois meses, dos eternos anos – roubados – que não poderei dizer ou fazer nada disso. No fundo eu sempre tive a esperança de um dia concertar as coisas entre nós, quem sabe quando ele fosse bem velhinho, aposentado, ele parece para dar um pouco mais de atenção a família, talvez um belo dia nós dois sentássemos para conversar, uma conversa “da vida toda” e no final nos entendêssemos...

Mas não. Ele morreu aos 49 anos, com dor, sem a família por perto, comigo o odiando e desejando sua morte.
Sem nunca ter tido uma demonstração de carinho minha.

Hoje eu daria tudo pra ter 5 minutos com ele e poder dizer o quanto o amei em silencio, o quanto sinto sua falta, o quanto eu gostaria que as coisas tivessem sido diferentes entre nós.
Sinto muito não ter dito isso quando tive tempo...

Akira

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Dia cheio

Ontem, tive um dia mega cheio.
Fui com a minha mãe assinar alguns documentos, ainda sobre a morte do meu pai.


A,i o cara do ministério do trabalho (onde eu tinha que assinar os documentos) começou a me elogiar demais, papo vai, papo vem, ele fala:
Homem-velho-chato-arrogante: você é casada ou solteira?
Pensamento da Akii: E o que vc tem haver com isso????
Akii: Nem um, nem outo. Sou meio enrolada. (dei uma risadinha e uma olha pra ver a reação do povo: o cara fez careta, a Contadora acho engraçado, e eu e minha mãe trocamos olhares cúmplices)
Homem-velho-chato-arrogante: Enrolada? É, hoje em dias as coisas são diferentes. Mas, isso não é muito certo!
Pensamento da Akii: E que é vc pra me dizer o que é certo ou não???
Contadora: Ah! Fulano de Tal, para de implicar, enrolado é tão bom... né? (e sorriu pra mim)
Ficou aquele clima estranho, porque a pergunta não tinha nada haver com o que estavamos falando e fazendo ali, por fim assinamos tudo...


Ai no busão de volta, eu com meu foninho ouvindo Black Sabbath, e My Chemical Romence no ultimo volume, minha mãe me cutuca e me oferece o fone dela pra que eu ouvisse uma musica da Paula Fernandes, (note a diferença de gosto musical), ai fiquei com um ouvido com as minhas musicas e o outro com as dela, musica vai, musica vem... de repente começa a toca "pássaro de fogo", a musica que eu mais amo - no momento - pq me faz lembrar da Kaede, a musica é perfeita para o momento que estamos vivendo e tal.
A abri o maior-sorriso-do-mundo, e olhei pra minha mãe.... e... tinha um moreno ao nosso lado, que aparentemente achou graça da minha reação, até ai tudo bem, devo ter pagado um mico daqueles... o detalhe é que depois disso ele não parou de me olhar. Ele até que era "bonitinho" (lê-se como: feio arrumadinho).
Fechei a cara. E não olhei mais para aquele lado... um tempão depois chegamos ao terminal, eu fui um das ultimas a descer do ônibus, quando dou de cara com o moreno-bonitinho parado me olhando descer. Ai ele sorriu, se virou e sumiu na multidão.
Como diz uma amiga minha "o problema de ser lady, é que a gente ganha mais olhadas e cantadas de homens do que de garotas".
Mas, confesso que meu ego subiu uns pontinhos...


Fui para fila do meu busão, para finalmente ir pra casa. Entrei na segunda fila, pq sou mega preguiçosa e prefiro esperar, a ter que ir em pé. Ai, olhando distraidamente para dentro do ônibus que estava parado, bem na minha frente, vi uma pessoas, sentada, que eu só conseguia ver o rosto:
1º pensamento: Uau! Que rapaz bonito! (sim, achei bonito, sou fiel, não cega!)
2º pensamento: Nossa, faz tanto tempo que não acho um homem bonito!
Ai notei que o "rapaz" estava olhando, com-olhos-famintos, para fila do lado, achei estranho pq aquele olhar eu não costumo ver em homens e resolvi procurar o que ele estava olhando, eis que na fila do lado, tinha uma hétero (sim ela estava com o namorado) muito gostosa, não gosto de lady e dificilmente acho mulherzinha bonita ou gostosa, mas aquela eu admito, era.
Voltei a olhar pro "rapaz", que analisava o resto da fila, e então me olhou. Foi ai que eu me toquei.
3º pensamento: Foi por isso que te achei bonito (aqui lê-se como gostoso). É lésbica.
 Continuei olhando e ela não desviou, não, ficamos nos encarando.
Ai ela mudou de posição, e ficou sentada, toda voltada pra mim, foi ai que ei vi o resto do corpo, vestida com roupas masculinas, cabelo mega curto, e cara de menina má. Uma legitima Butch.
Então, sobe no ônibus um atrasadinho, e entra bem na frente dela, ficando impossível de continuar olhando pra ela. Ela, começou a mudar de posição, tentando me ver. (foi engraçado, meu ego foi as alturas).
De repente, ela levanta, me encara e começa vir em direção a porta, e como eu estava na frente da porta, pareceu que vinha pra mim.
4º pensamento: Pronto, fudeu!
Ela desceu, veio em linha reta, até muito perto, deu um daquele sorrisos-safados, com o canto da boca (que só butchs sabem dar), virou pro lado e entrou em uma outra fila. E não vi mais.


Quando achei que as surpresas do dia tinham acabado, ouso a seguinte conversa, no busão:
Mulher-ao-meu-lado-com-voz-irritante: Eu acho as coisas do Paraguai muito baratas, queria um dia ir pra lá, fazer umas compras.
Outra-mulher: Ah, lá é legal, já fui lá.
Mulher-ao-meu-lado-com-voz-irritante: Eu nunca fui, sempre quis ir.
Outra-mulher: já morei lá perto, ia sempre.
Mulher-ao-meu-lado-com-voz-irritante: Nossa, sempre quis conhecer.
Outra-mulher: é legal.
Mulher-ao-meu-lado-com-voz-irritante: Nunca fui.
Outra mulher: as coisas são bem baratas.
Mulher-ao-meu-lado-com-voz-irritante: Eu nunca fui, sempre quis ir...


E continuaram nesse papo cabeça, até eu descer, +/- 30 minutos depois.


Pra fechar meu dia, com chave de ouro. Eu e a Kaede tivemos uma briga, e eu fiquei PUTONA DA VIDA.
Passamos o dia todo sem nos falar, e só nos acertamos (+/-), agora a noite.
Mas vai dar tudo certo.


Espero que tenham tido paciência para chegar até o fim do post.
Beijão


Akii

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Porque sei o que quero...

“Eu quero nós, mais nós, 
Grudados. Enrolados. Amarrados.
Jogados no tapete da sala.
Nós que não atam nem desatam.
Eu quero pouco e quero mais.
Quero você.
Quero eu.
Quero domingos de manhã.
Quero cama desarrumada,
lençol, café e travesseiro.
Quero seu beijo.
Quero seu cheiro.
Quero aquele olhar que não cansa,
o desejo que escorre pela boca e o minuto no segundo seguinte: nada é muito quando é demais.”

Caio Fernando Abreu

Mais uma, do meu QueridoAmadoeIdolatrado Caio Fernando Abreu, que como sempre tem uma frase perfeita para me descrever.
Gente apaixonada é uma desgraça mesmo.
Desculpem essa fase melosa em que me encontro, e que eu espero que dure bastante.

Beijão

Akii

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Uma semana no paraíso... enfim, saindo do armário.

Desculpem pelo pequeno sumiço...
Mas, enfim, acho que eu devo as fofocas da viagem pra vcs, coreto?


Meu sábado (16/07), quase vai por agua abaixo, minha mãe e avó foram comigo até o aeroporto, saimos de casa com 5 horas de antecedencia, pois no sábado o horario dos onibus era diferente e os onibus demoram mais pra passa, estavamos na metade do caminho quando pegamos o busão errado e fomos parar muito, muito, muito longe do aeroporto. Fiquei desesperada, a Kaede também, as duas super nervosas, quase começamos uma briga por telefone, eu tinha que estar no aeroporto pra fazer o check-in as 14:00, e ja eram 13:00, quando o maldito onibus-certo finalmente chegou.


Por fim correu tudo bem, deu tempo de fazer tudo certinho, ai liguei pra ela e disse:
Akii: Vida, desculpa, mas ja são 14:00 e eu ainda estou muito longe... amor já era, o jeito é voltar embora... me desculpe...
Kaede: COMO ASSIM???? PEGA UM TAXI!!!!!
Akii (rindo por dentro): Kae, não dá. Eu já deveria estar no aeroporto, ainda estou do outro lado de Curitiba.
Kaede (com voz de choro): Cara não acredito, isso não é justo, não é justo, não é justo....
Minha-mãe-fazendo-cara-feia-do-meu-lado: Akira, para de mentir pra ela, ela vai ter um treco lá, e ontem ela já ficou internada. (no dia anterior a Kaede teve uma crise renal, e já estava melhorzinha no sábado)
Akii (com peso na consciência): rsrsrs, Kae ta sentada?
Kaede (a essa altura ela e minha sogra já estavam chorando): Tô.
Akii: Vida, já estou no aeroporto, faz uns 15 minutos, já fiz o check-in, e assim que eu desligar vou pra sala de espera.
Kaede: O QUE???? COMO VC PODE BRINCAR COM UMA COISA DESSAS???? Ah, Akira. Eu vou bater muito em vc.
Akii: kkkk... assim espero, meu bem, assim espero.
Kaede: MÃE A AKII JÁ CHEGOU NO AEROPORTO, DEU TEMPO!!!!!!!!!!! E EU VOU MATAR ELA QUANDO CHEGAR!
Akii: Vida, tenho que ir indo. Te amo, até mais.
...
A viagem foi super tranquila, durou +/- 1:15 hora, cheguei no Galeão, e fui direto pra rodoviária. Detalhe é eu praticamente fui assaltada na saída do aeroporto, quando peguei o táxi, sabem quanto custou a corrida até a rodoviária???? R$ 70,00. Um roubo!
Mas, enfim. comprei a passagem e o onibus para Campos dos Goytacazes saia em 10 minutos, só deu tempo de achar a plataforma e já estava a caminho da felicidade.
Foram longas 4 horas de muita ansiedade, Kaede estava na rodoviaria desde as 19:00 horas e eu só cheguei as 22 e pouquinho.


Ai liguei pra ela:
Akii: Vida, acabei de chegar, estou na plataforma 1.
Ai eu vi ela, desliguei a chamada, abri o maior sorriso do mundo e.... ELA PASSOU DIRETO. E ficou na frente do onibus, gente ela passou a menos de um metro de mim, tudo bem que ela tava mega nervosa, e tal.
Liguei de volta:
Akii: VC PASSOU POR MIM.
Kaede: Como assim, Vida desculpa, cade vc.
Akii: Kaede, calça preta, blusa rosa e mochila roxa, não tem como não ver.
Kaede-olhando-desesperada-para-todos-os-lados: calça preta.... blusa rosa....e... mochila rox... (ai ela me viu)

Bom depois disso vcs ja podem imaginar, abraços, beijos, minhares de "eu te amo", "como é bom realmente te abraçar", alguns "vadia, vc não me reconheceu", mais uma centena de beijos e abraços. Depois fomos até o Habib´s (onde a sogra trabalha), comemos alguma coisa e depois fomos pra casa junto com a sogra.
Eu estava muito cansada, e a Kaede mega exitada. Até tentei fazer um acordo pra que ela me deixasse dormir, mas no fim o desejo falou mais alto e nós só conseguimos dormir as 5:00 am. E acordamos as 8:00 super dispostas.

A semana foi INCRIVEL. Definitivamente a melhor da minha vida.

Ganhei meu presente de aniversario (atrasado), olha a fotinho:
o nome dele é Aishi-teru (significa "eu te amo" em japones)


Lindo não???


Detalhe é que na volta minha mochila estava muito cheia, até porque ganhei mais um monte de coisas, ai tive que traze-lo na mão. Foi legal.






A despedida foi literalmente molhada, tive uma semana inteira de muito sol, mas no dia 23 (dia em que comemoramos os 6 meses de namoro, e dia da volta) o tempo amanheceu muito feio, e chovendo. Sem contar o rio de lagrimas que rolou, foi muito difícil. E só de lembrar meus olhos já enchem de lagrimas...


Mas, esse dia não conseguiu estragar a felicidade de todos os outros...
e a qui vai uma pequena demostração da felicidade..


Enfim, é hora de sair do armário
Akii-lady de óculos e Kaede-bofinha gostosa.

E se algum dia vc esquecer o quanto te amo,
por todos os dias eu vou te lembrar.

Minha Vida

"Os melhores beijos, serão seus."

É isso, espero que tenham curtido, um pouquinho dos melhores dias da minha vida.

Beijão

Akii.

"Sou felizz e não admito que ninguém me acorde." (Martha Medeiros)

“Na vida, apenas uma coisa é certa, além da morte e dos impostos. Não importa o quanto você tente, não importa se são boas suas intenções, você cometerá erros. Você irá machucar pessoas. E se machucar” (Meredith Grey - Grey's Anatomy)